Vereis o Filho do Homem … com grande poder e glória (Mc 13,24-32)

33º DOMINGO – Tempo Comum – Ano “B”

Evangelho – Mc 13,24-32

Naquele tempo:
Jesus disse a seus discípulos:
24 ‘Naqueles dias, depois da grande tribulação,
o sol vai se escurecer, e a lua não brilhará mais,
25 as estrelas começarão a cair do céu
e as forças do céu serão abaladas.
26 Então vereis o Filho do Homem vindo nas nuvens
com grande poder e glória.
27 Ele enviará os anjos aos quatro cantos da terra
e reunirá os eleitos de Deus,
de uma extremidade à outra da terra.
28 Aprendei, pois, da figueira esta parábola:
quando seus ramos ficam verdes
e as folhas começam a brotar,
sabeis que o verão está perto.
29 Assim também, quando virdes acontecer essas coisas,
ficai sabendo que o Filho do Homem está próximo,
às portas.
30 Em verdade vos digo,
esta geração não passará até que tudo isto aconteça.
31 O céu e a terra passarão,
mas as minhas palavras não passarão.
32 Quanto àquele dia e hora, ninguém sabe,
nem os anjos do céu, nem o Filho, mas somente o Pai.

Refletindo a Palavra

O Evangelho desse final de semana, o penúltimo do Tempo Comum desse Ano B, nos traz um pequeno “apocalipse”, que significa “revelação”. Apesar de utilizarem figuras escatológicas, de final dos tempos, os “apocalipses” sempre são mensagens de esperança, jamais de desespero, muito menos convite de alienação no tempo presente.
A mensagem de Jesus Cristo é mensagem de Esperança. Esperança que nasce da Fé. Quando temos esperança, os acontecimentos e fatos do tempo presente, por piores que possam se nos apresentar, não ofuscam nosso olhar voltado para o futuro, em tempos que todo o sofrimento do momento presente tiver sido vencido, e as dificuldades superadas. Paulo Freire diz que não se pode confundir o verbo “esperançar” com “esperar”. Esperançar é lançar mãos à obra no tempo presente, construindo um porvir que venha ao encontro de nossos sonhos.
Rubem Alves diferencia “otimismo” de “esperança”. Um é o oposto de outro. Otimismo é trazer para dentro de nós a Primavera que se faz no exterior; Esperança é quando, mesmo quando tudo está seco no exterior, dentro de nós ainda borbulham as fontes de água cristalina, brotam as flores. Otimismo é alegria “por causa de”: coisa humana; Esperança é alegria “apesar de”: coisa divina. O Otimismo lança suas raízes no tempo. A Esperança lança suas raízes na Eternidade.
Que Nossa Senhora, a Mãe da Esperança, aquela que sempre confiou, mesmo ao ver Seu Filho morrer na Cruz, interceda por nós para que a Fé, terra de onde brota nossa Esperança, seja sempre solo fértil irrigado pela Palavra de Deus.

Respondendo e Rezando a Palavra (CLIQUE AQUI)

Salmo – Sl 15,5.8.9-10.11

R. Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio!

5 Ó Senhor, sois minha herança e minha taça,*
meu destino está seguro em vossas mãos!
8 Tenho sempre o Senhor ante meus olhos,*
pois se o tenho a meu lado não vacilo.

9 Eis por que meu coração está em festa,
minha alma rejubila de alegria,*
e até meu corpo no repouso está tranqüilo;
10 pois não haveis de me deixar entregue à morte,*
nem vosso amigo conhecer a corrupção.

11 Vós me ensinais vosso caminho para a vida;
junto a vós, felicidade sem limites,*
delícia eterna e alegria ao vosso lado!