Os Calvários

“Chegando ao lugar chamado Calvário, lá o crucificaram” (Lc 23,33) - Artigo Pe. Nadai - Correio Popular

Data: 25/03/2016

OS CALVÁRIOS

 

Chegando ao lugar chamado Calvário, lá o crucificaram” (Lc 23,33)

Ainda hoje, em peregrinação à Terra Santa, você pode visitar e venerar esse lugar, na Basílica do Santo Sepulcro, em Jerusalém.

Quantas vezes ouvimos as pessoas, em sofrimento, dizerem: estou vivendo um calvário. Nós mesmos, por que não, podemos ter o nosso calvário.

Há muitas cruzes plantadas no chão da vida de nosso povo. São tantas que, às vezes, tropeçamos nelas.

Nos dias que correm a surpresa da cruz do terrorismo; a cruz peregrina dos migrantes, cujo símbolo maior é o corpinho da criança que jaz morta por afogamento, na areia da praia, o Aylan. A violenta cruz das guerras, a cruz escondida dos refugiados em seus campos. Cruzes espalhadas nos calvários de nosso vasto e conflitivo mundo. A cruz da crise política que paralisa nosso país. A dolorosa cruz da corrupção.

Contudo, quem de nós não se depara, no dia a dia, com o calvário do sofrimento humano dos doentes em suas casas, nos hospitais ou nas UTIs; ou dos idosos, deslocados de seu lar onde viveram e criaram sua família; de crianças abandonadas; de mulheres marginalizadas; das pessoas em situação de rua, enxotadas de um lado para outro cuja resistência é admirável; os dependentes de drogas e os milhares de presos, reconhecidamente vivendo em condições sub-humanas, degradantes, amontoadas em aglomerações e até submetidos a outros tipos de tortura.

Há cruzes que são existenciais por conta da condição humana, limitada e finita. Porém, há muita cruz e muitos calvários por força da maldade, da ganância, do egoísmo e do pecado do homem.

Na Sexta-feira Santa, somos, sim, convidados a acompanhar Jesus na sua via sacra até o Calvário. Contemplamos assim, no seu sofrimento, seu grande amor por nós. A paixão e morte de Jesus resultaram da coerência de sua vida de profeta que denunciou o sistema religioso do Templo, feito comércio e por vingança foi acusado de ameaçar e ser um perigo para o Império Romano. Logo Ele que entrou em Jerusalém montando um pacífico jumentinho de carga! Foi condenado por uma aliança do poder religioso, Anás e Caifás com o poder político, Herodes e Pilatos.

Comovente é a filial oração do horto: “Pai, se queres, afasta de mim este cálice” (Lc 22,42)

Ensurdecedor é o brado de Jesus no calvário da cruz: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste? ” (Mt 27,46)

Ensurdecedor, mas não desesperador, pois, este clamor logo é seguido de outro de absoluta confiança: “Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito” (Lc 27,46)

Na Sexta-feira Santa, o horizonte de nosso olhar se abre para contemplar também o calvário das cruzes de nossos irmãos e irmãs. Contemplamos, nos rostos sofredores deles, “o rosto de Cristo que nos chama a servi-lo neles” (D.Ap. 393)

Todavia, às trevas da Sexta-feira da paixão, sucede a luz da madrugada da Ressurreição, que se derrama, qual manto, abraçando todos os calvários.

Esta é a fé e a esperança que professamos. E assim caminhamos com o Senhor dos Passos, de esperança em esperança.

Pe. José Arlindo de Nadai – Pároco Emérito da Paróquia Divino Salvador

ENDEREÇO E CONTATO

Av. Júlio de Mesquita, 126
Campinas - SP
(19) 3251-5534 | (19) 3255-0541
secretaria@paroquiadivino.org.br

Contato via Whatsapp

MISSAS
Terças, Quartas, Quintas, Sextas e Sábados: 17h
Presencial, limitada a 120 fiéis
Domingos: 08h00, 10h30 e 18h30
Presencial, limitada a 120 fiéis (40%)



ABERTURA DA IGREJA PARA ORAÇÕES INDIVIDUAIS
2ª feira: 14h às 17h30
3ª a 6ª feira: das 8h às 12h00 | das 14h às 18h
Sábado: 08h às 11h30 | das 15h até o fim da última atividade do dia
Domingo: nos horários das missas

SECRETARIA PAROQUIAL
2ª feira: das 14h às 17h00
3ª a 6ª feira: das 8h às 12h00 | das 14h às 17h
Sábado: das 8h às 12h00

Previous Next
Close
Test Caption
Test Description goes like this