O Senhor ressuscitou, aleluia!

Domingo da Páscoa

Evangelho – Jo 20,1-9

1 No primeiro dia da semana,
Maria Madalena foi ao túmulo de Jesus,
bem de madrugada, quando ainda estava escuro,
e viu que a pedra tinha sido retirada do túmulo.
2 Então ela saiu correndo
e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo,
aquele que Jesus amava,
e lhes disse: ‘Tiraram o Senhor do túmulo,
e não sabemos onde o colocaram.’
3 Saíram, então, Pedro e o outro discípulo
e foram ao túmulo.
4 Os dois corriam juntos,
mas o outro discípulo correu mais depressa que Pedro
e chegou primeiro ao túmulo.
5 Olhando para dentro, viu as faixas de linho no chão,
mas não entrou.
6 Chegou também Simão Pedro, que vinha correndo atrás,
e entrou no túmulo.
Viu as faixas de linho deitadas no chão
7 e o pano que tinha estado sobre a cabeça de Jesus,
não posto com as faixas,
mas enrolado num lugar à parte.
8 Então entrou também o outro discípulo,
que tinha chegado primeiro ao túmulo.
Ele viu, e acreditou.
9 De fato, eles ainda não tinham compreendido a
Escritura,
segundo a qual ele devia ressuscitar dos mortos.

Homilia Pe. Nadai

Jesus Cristo ressuscitou, aleluia!

Verdadeiramente ressuscitou, nosso Divino Salvador!

Aleluia! Aleluia!

Nesta Vigília Pascal celebramos, com toda a Igreja, o âmago do Mistério de nossa fé cristã. Celebramos a Páscoa de Jesus – com sua gloriosa Ressurreição e igualmente a Páscoa dos cristãos, a nossa Páscoa.

Simbolizado na Luz do Círio Pascal, o Cristo Ressuscitado entrou solenemente em nossa Assembleia celebrante, ao som da aclamação: Eis a Luz de Cristo. Assim, cada um de nós, pessoalmente, e toda a Assembleia é iluminada por essa mesma Luz que procede de Jesus Cristo.

“Eu sou a Luz do mundo. Quem me segue não anda nas trevas”

            “Vós (meus discípulos(as) sois a luz do mundo”

 A vigília pascal é também festa batismal. Pelo Sacramento do Batismo somos mergulhados na vida de Cristo. Somos revestidos de Cristo. Somos enraizados em Cristo. “Eu sou videira verdadeira; vós sois os ramos” O ramo vive da seiva da videira. O cristão vive da vida de Cristo pela fé, esperança e caridade.

Por isso, nessa noite, celebraremos o Batismo de nossa irmã Gabrielle e todos nós renovaremos nossas promessas batismais e professaremos, solenemente, nossa fé e seremos aspergidos pela mesma água do Batismo, saída do lado aberto do Crucificado.

“Banhados em Cristo, somos nova criatura. As coisas antigas já se passaram, somos nascidos de novo”. Aleluia…

O ponto alto da Vigília Pascal é a celebração da Eucaristia, ação de graças por excelência. A vida nova que nasce no Batismo, é alimentada pelo pão da vida e pelo cálice da bênção.

“Todas as vezes que comemos deste pão e bebemos deste cálice, anunciamos, Senhor, a vossa morte, enquanto esperamos a vossa vinda”

 Maranata! Vem Senhor! Vem!

Iluminados pela Luz de Cristo, animados pelo seu Espírito, que vem em socorro de nossa fragilidade, alimentados pelo pão e pelo vinho consagrados, somos enviados ao vasto e conflitivo mundo, como filhos do Abba! Pai!, como discípulos(as) e testemunhas de Jesus, nosso Divino Salvador, assim na esperança e na fé, inaugura-se um novo céu e uma nova terra.

Sobre essa esperança, exorta-nos o Papa Francisco:

Não vos deixeis roubar a esperança! Talvez a esperança seja como as brasas debaixo das cinzas; ajudemo-nos uns aos outros com a solidariedade, soprando nas cinzas, a fim de que o fogo volte a atear-se mais uma vez. Pois é a esperança que nos faz ir em frente. E isto não é otimismo, mas algo diferente. Todavia a esperança não é de uma só pessoa, a esperança fazemo-la todos juntos. Temos que alimentar a esperança entre todos, entre todos nós e todos nós que estamos distantes. A esperança é algo vosso e também nosso. É algo que pertence a todos”.

Feliz e Santa Páscoa a todos vocês e às suas famílias.

Pe. José Arlindo de Nadai