“Meu Senhor e meu Deus!”

2º Domingo da Páscoa

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João (Jo 20,19-31)

9 Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas, por medo dos judeus, as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, Jesus entrou e, pondo-se no meio deles, disse: “A paz esteja convosco”.

20 Depois dessas palavras, mostrou-lhes as mãos e o lado. Então os discípulos se alegraram por verem o Senhor.

21 Novamente, Jesus disse: “A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos envio”.

22 E, depois de ter dito isso, soprou sobre eles e disse: “Recebei o Espírito Santo.

23 A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem os não perdoardes, eles lhes serão retidos”.

24 Tomé, chamado Dídimo, que era um dos doze, não estava com eles quando Jesus veio.

25 Os outros discípulos contaram-lhe depois: “Vimos o Senhor!” Mas Tomé disse-lhes:

“Se eu não vir a marca dos pregos em suas mãos, se eu não puser o dedo nas marcas dos pregos e não puser a mão no seu lado, não acreditarei”.

26 Oito dias depois, encontravam-se os discípulos novamente reunidos em casa, e Tomé estava com eles. Estando fechadas as portas, Jesus entrou, pôs-se no meio deles e disse: “A paz esteja convosco”.

27 Depois disse a Tomé:

“Põe o teu dedo aqui e olha as minhas mãos. Estende a tua mão e coloca-a no meu lado. E não sejas incrédulo, mas fiel”.

28 Tomé respondeu: “Meu Senhor e meu Deus!”

29 Jesus lhe disse: “Acreditaste, porque me viste? Bem-aventurados os que creram sem terem visto!”

30 Jesus realizou muitos outros sinais diante dos discípulos, que não estão escritos neste livro.

31 Mas estes foram escritos para que acrediteis que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo,tenhais a vida em seu nome.

Refletindo a Palavra

A liturgia deste domingo põe em relevo o papel da comunidade cristã como espaço privilegiado de encontro com Jesus ressuscitado.
O Evangelho sublinha a ideia de que Jesus vivo e ressuscitado é o centro da comunidade cristã; é à volta d’Ele que a comunidade se estrutura e é d’Ele que ela recebe a vida que a anima e que lhe permite enfrentar as dificuldades e as perseguições. Por outro lado, é na vida da comunidade (na sua liturgia, no seu amor, no seu testemunho) que os homens encontram as provas de que Jesus está vivo.
A segunda leitura insiste no motivo da centralidade de Jesus como referência fundamental da comunidade cristã: apresenta-O a caminhar lado a lado com a sua Igreja nos caminhos da história e sugere que é n’Ele que a comunidade encontra a força para caminhar e para vencer as forças que se opõem à vida nova de Deus.
A primeira leitura sugere que a comunidade cristã continua no mundo a missão salvadora e libertadora de Jesus; e quando ela é capaz de o fazer, está a dar testemunho desse Cristo vivo que continua a apresentar uma proposta de redenção para os homens.

Rezando a palavra

SALMO RESPONSORIAL – Salmo 117 (118)

Dai graças ao Senhor, porque ele é bom! “Eterna é a sua misericórdia!

A casa de Israel agora o diga: “Eterna é a sua misericórdia!
A casa de Aarão agora o diga: “Eterna é a sua misericórdia!
Os que temem o Senhor, agora o digam: “Eterna é a sua misericórdia!

A pedra que os pedreiros rejeitaram tornou-se agora pedra angular.
Pelo Senhor é que foi feito tudo isso: Que maravilhas ele fez a nossos olhos!
Este é o dia que o Senhor fez para nós, Alegremo-nos e nele exultemos!

Ó Senhor, dai-nos a vossa salvação, ó Senhor, dai-nos também prosperidade!
Bendito seja, em nome do Senhor, aquele que em seus átrios vai entrando!
Desta casa do Senhor vos bendizemos. Que o Senhor e nosso Deus nos ilumine!