Hoje é Natal!

Para o povo que andava na escuridão, e como cego apalpava as paredes e andava tateando nas sombras da morte, de repente, resplandeceu uma grande luz.

A luz irradiava dos olhos do Menino, cujo nome é Conselheiro Admirável, Príncipe da Paz. Emanuel, Deus conosco!

Mais tarde, esse menino dirá aos discípulos e discípulas: “Eu sou a luz do mundo, quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida” (Jo 8,12). Eu sou o caminho, quem vai por mim terá seus passos seguramente iluminados.

Bendito seja Deus que fez resplandecer esta noite com a claridade da verdadeira Luz!

Assim a luz brilhou nas trevas. Luz verdadeira que ilumina todo ser humano, e todo o Universo criado.

Fazia escuro naquela noite em Belém, para os pastores que cuidavam de seus rebanhos, quando, de repente, foram tomados por uma forte luz. O anjo do Senhor lhes anunciou uma boa e alegre notícia: “Hoje nasceu para vocês e para todo o povo, o Divino Salvador, o Cristo Senhor”.(Lc 2,) Assim,“não pode haver lugar para a tristeza, quando nasce a vida”. (S. Leão Magno)

O sinal dado é tão singelo quanto encantador: “Encontrareis um recém-nascido, (um bebê), envolvido em faixas de pano e deitado numa manjedoura” (Lc 2,12)

Natal é a festa do mistério da encarnação do Filho de Deus, feito homem, no seio de Maria, no coração da Humanidade, sob os cuidados e ternura do silencioso e vigilante José.

Prezado leitor: Natal é hoje para você, para sua família, para todos os homens e mulheres de boa vontade de nosso tempo.

Jesus Cristo é o “rosto humano de Deus e rosto divino do homem”. “Na realidade, tão só o mistério do Verbo encarnado explica verdadeiramente o mistério do homem”. Esta criancinha tão indefesa, como tantas de nosso vasto mundo, manifesta plenamente o homem ao próprio homem e lhe revela sua altíssima vocação”. (D Ap)

A celebração do Natal envolve-nos na mística do encontro. Na fé, encontro com Jesus, Filho de Deus, feito nosso irmão. Alegria do encontro de familiares, parentes, amigos(as) e companheiros(as de jornada. Alegria das crianças que vibram com a magia encantadora do Natal: luzes, presépios, anjos, pastores, árvores, fontes, confraternizações com comidas típicas, presentes, abraços e beijos!

Feliz Natal! Noite feliz!

Paradoxalmente, no rosto de Jesus Cristo, com o olhar da fé e compaixão somos interpelados a ver o rosto humilhado e envergonhado de tantos homens e mulheres, irmãos nossos, na mesma condição humano- divina:

  • Os moradores em condição de rua
  • Os enfermos: verdadeira catedral do encontro com o Senhor
  • Os adictos dependentes, em particular os jovens
  • Os migrantes – milhões de pessoas em contínua mobilidade e busca de sobrevivência
  • Os presos: além da privação da liberdade, tantas vezes também de outros direitos
  • As mulheres – pelas discriminações que sofrem
  • Os jovens – pela falta de educação adequada – sem oportunidade de emprego.
  • Os idosos – pela sua não valorização

 

Pois bem, olhando para esses rostos, contemplamos o rosto daquele que “tinha a condição divina, mas não se apegou à sua igualdade a Deus. Pelo contrário, esvaziou-se a si mesmo, assumindo a condição de servo e tornando-se semelhante aos homens. Assim, apresentando-se como simples homem…” (Fil 2,6)

“Natal é festa! Mais do que presentes, Natal é Deus presente que armou sua tenda no meio de nós (Jo 1,14)

Pe. José Arlindo de Nadai – Paróquia Divino Salvador