“Eis que uma virgem conceberá.”

4º Domingo do Advento

Evangelho de Jesus Cristo Segundo Matheus – Mt 1,18-24

18 A origem de Jesus Cristo foi assim:
Maria, sua mãe, estava prometida em casamento
a José, e, antes de viverem juntos,
ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo.
19 José, seu marido, era justo
e, não querendo denunciá-la,
resolveu abandonar Maria, em segredo.
20 Enquanto José pensava nisso,
eis que o anjo do Senhor apareceu-lhe, em sonho,
e lhe disse: ‘José, Filho de Davi,
não tenhas medo de receber Maria como tua esposa,
porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo.
21 Ela dará à luz um filho,
e tu lhe darás o nome de Jesus,
pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados’.
22 Tudo isso aconteceu para se cumprir
o que o Senhor havia dito pelo profeta:
23 ‘Eis que a virgem conceberá
e dará à luz um filho.
Ele será chamado pelo nome de Emanuel,
que significa: Deus está conosco.’
24 Quando acordou,
José fez conforme o anjo do Senhor havia mandado,
e aceitou sua esposa.

Refletindo a Palavra

Nestes últimos dias antes do Natal, a mensagem fundamental da Palavra de Deus gira à volta da definição da missão de Jesus: propor um projecto de salvação e de libertação que leve os homens à descoberta da verdadeira felicidade.
O Evangelho sugere que esse projecto de Deus tem um rosto: Jesus de Nazaré veio ao encontro dos homens para apresentar aos prisioneiros e aos que jazem na escravidão uma proposta de vida e de liberdade. Ele propõe um mundo novo, onde os marginalizados e oprimidos têm lugar e onde os que sofrem encontram a dignidade e a felicidade. Este é um anúncio de alegria e de salvação, que faz rejubilar todos os que reconhecem em Jesus a proposta libertadora que Deus lhes faz. Essa proposta chega, tantas vezes, através dos limites e da fragilidade dos “instrumentos” humanos de Deus; mas é sempre uma proposta que tem o selo e a força de Deus.
A primeira leitura sugere que este mundo novo que Jesus, o descendente de David, veio propor é um dom do amor de Deus. O nome de Jesus é “a Paz”: Ele veio apresentar uma proposta de um “reino” de paz e de amor, não construído com a força das armas, mas construído e acolhido nos corações dos homens.
A segunda leitura sugere que a missão libertadora de Jesus visa o estabelecimento de uma relação de comunhão e de proximidade entre Deus e os homens. É necessário que os homens acolham esta proposta com disponibilidade e obediência – à imagem de Jesus Cristo – num “sim” total ao projecto de Deus.

Rezando a palavra

Salmo – Sl 23,1-2.3-4ab.5-6 (R. 7c e 10b)

R. O rei da glória é o Senhor onipotente;
abrí as portas para que ele possa entrar!

1 Ao Senhor pertence a terra e o que ela encerra,
o mundo inteiro com os seres que o povoam;
2 porque ele a tornou firme sobre os mares,
e sobre as águas a mantém inabalável.

3 ‘Quem subirá até o monte do Senhor,
quem ficará em sua santa habitação?’
4a ‘Quem tem mãos puras e inocente coração,
4bquem não dirige sua mente para o crime.

5 Sobre este desce a bênção do Senhor
e a recompensa de seu Deus e Salvador’.
6 ‘É assim a geração dos que o procuram,
e do Deus de Israel buscam a face’.