“Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.”

2º Domingo do Tempo Comum

Evangelho de Jesus Cristo Segundo João – Evangelho – Jo 1,29-34

Naquele tempo:
29 João viu Jesus aproximar-se dele e disse:
‘Eis o Cordeiro de Deus,
que tira o pecado do mundo.
30 Dele é que eu disse:
Depois de mim vem um homem que passou à minha frente,
porque existia antes de mim.
31 Também eu não o conhecia,
mas se eu vim batizar com água,
foi para que ele fosse manifestado a Israel’.
32 E João deu testemunho, dizendo:
‘Eu vi o Espírito descer,
como uma pomba do céu,
e permanecer sobre ele.
33 Também eu não o conhecia,
mas aquele que me enviou a batizar com água me disse:
`Aquele sobre quem vires o Espírito descer e
permanecer, este é quem batiza com o Espírito Santo’.
34 Eu vi e dou testemunho:
Este é o Filho de Deus!’

Refletindo a Palavra

A liturgia deste domingo coloca a questão da vocação; e convida-nos a situá-la no contexto do projecto de Deus para os homens e para o mundo. Deus tem um projecto de vida plena para oferecer aos homens; e elege pessoas para serem testemunhas desse projecto na história e no tempo.
A primeira leitura apresenta-nos uma personagem misteriosa – Servo de Jahwéh – a quem Deus elegeu desde o seio materno, para que fosse um sinal no mundo e levasse aos povos de toda a terra a Boa Nova do projecto libertador de Deus.
A segunda leitura apresenta-nos um “chamado” (Paulo) a recordar aos cristãos da cidade grega de Corinto que todos eles são “chamados à santidade” – isto é, são chamados por Deus a viver realmente comprometidos com os valores do Reino.
O Evangelho apresenta-nos Jesus, “o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”. Ele é o Deus que veio ao nosso encontro, investido de uma missão pelo Pai; e essa missão consiste em libertar os homens do “pecado” que oprime e não deixa ter acesso à vida plena.

Rezando a palavra

Salmo – Sl 39,2.4ab.7-8a.8b-9.10 (R.8a.9a)

R. Eu disse: Eis que venho, Senhor,
com prazer faço a vossa vontade.!

2 Esperando, esperei no Senhor,
e inclinando-se, ouviu meu clamor.
4 Canto novo ele pôs em meus lábios,
um poema em louvor ao Senhor.

7 Sacrifício e oblação não quisestes,
mas abristes, Senhor, meus ouvidos;
não pedistes ofertas nem vítimas,
holocaustos por nossos pecados.

8 E então eu vos disse: ‘Eis que venho!
Sobre mim está escrito no livro:
9 ‘Com prazer faço a vossa vontade,
guardo em meu coração vossa lei!

10Boas-novas de vossa justiça
anunciei numa grande assembléia;
vós sabeis: não fechei os meus lábios!