“É permanecendo firmes que ireis ganhar a vida!”

33º DOMINGO Tempo Comum

Evangelho de Jesus Cristo Segundo Matheus – Evangelho – Lc 21,5-19

Naquele tempo:
5 Algumas pessoas comentavam a respeito do Templo
que era enfeitado com belas pedras
e com ofertas votivas.
Jesus disse:
6 ‘Vós admirais estas coisas?
Dias virão em que não ficará pedra sobre pedra.
Tudo será destruído.’
7 Mas eles perguntaram:
‘Mestre, quando acontecerá isto? E qual vai ser o sinal
de que estas coisas estão para acontecer?
8 Jesus respondeu: ‘Cuidado para não serdes enganados,
porque muitos virão em meu nome, dizendo:
‘Sou eu!’ e ainda: ‘O tempo está próximo.’
Não sigais essa gente!
9 Quando ouvirdes falar de guerras e revoluções,
não fiqueis apavorados.
É preciso que estas coisas aconteçam primeiro,
mas não será logo o fim.’
10 E Jesus continuou:
‘Um povo se levantará contra outro povo,
um país atacará outro país.
11 Haverá grandes terremotos,
fomes e pestes em muitos lugares;
acontecerão coisas pavorosas
e grandes sinais serão vistos no céu.
12 Antes, porém, que estas coisas aconteçam,
sereis presos e perseguidos;
sereis entregues às sinagogas e postos na prisão;
sereis levados diante de reis e governadores
por causa do meu nome.
13 Esta será a ocasião em que testemunhareis a vossa fé.
14 Fazei o firme propósito
de não planejar com antecedência a própria defesa;
15 porque eu vos darei palavras tão acertadas,
que nenhum dos inimigos vos poderá resistir ou rebater.
16 Sereis entregues até mesmo pelos próprios pais,
irmãos, parentes e amigos.
E eles matarão alguns de vós.
17 Todos vos odiarão por causa do meu nome.
18 Mas vós não perdereis
um só fio de cabelo da vossa cabeça.
19 É permanecendo firmes que ireis ganhar a vida!

Refletindo a Palavra

A liturgia deste domingo reflete sobre o sentido da história da salvação e diz-nos que a meta final para onde Deus nos conduz é o novo céu e a nova terra da felicidade plena, da vida definitiva. Este quadro (que deve ser o horizonte que os nossos olhos contemplam em cada dia da nossa caminhada neste mundo) faz nascer em nós a esperança; e da esperança brota a coragem para enfrentar a adversidade e para lutar pelo advento do Reino.
Na primeira leitura, um “mensageiro de Deus” anuncia a uma comunidade desanimada, céptica e apática que Jahwéh não abandonou o seu Povo. O Deus libertador vai intervir no mundo, vai derrotar o que oprime e rouba a vida e vai fazer com que nasça esse “sol da justiça” que traz a salvação.
O Evangelho oferece-nos uma reflexão sobre o percurso que a Igreja é chamada a percorrer, até à segunda vinda de Jesus. A missão dos discípulos em caminhada na história é comprometer-se na transformação do mundo, de forma a que a velha realidade desapareça e nasça o Reino. Esse “caminho” será percorrido no meio de dificuldades e perseguições; mas os discípulos terão sempre a ajuda e a força de Deus.
A segunda leitura reforça a ideia de que, enquanto esperamos a vida definitiva, não temos o direito de nos instalarmos na preguiça e no comodismo, alheando-nos das grandes questões do mundo e evitando dar o nosso contributo na construção do Reino.

Rezando a palavra

Salmo – Sl 97,5-6.7-8.9a.9bc (R. cf. 9)

R.O Senhor virá julgar a terra inteira; com justiça julgará.

5 Cantai salmos ao Senhor ao som da harpa
e da cítara suave!
6 Aclamai, com os clarins e as trombetas,
ao Senhor, o nosso Rei!

7 Aplauda o mar com todo ser que nele vive,
o mundo inteiro e toda gente!
8 As montanhas e os rios batam palmas
e exultem de alegria.

9a Exultem na presença do Senhor, pois ele vem,
vem julgar a terra inteira.
9b Julgará o universo com justiça
9c e as nações com eqüidade.