Combater o bom combate, terminar a corrida e guardar a fé

Evangelho – Mt 16,13-19

Naquele tempo, Jesus foi à região de Cesaréia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?”

Eles responderam: “Alguns dizem que é João Batista; outros que é Elias; outros, ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas”. Então Jesus lhes perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Simão Pedro respondeu: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”.

Respondendo, Jesus lhe disse: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que tu desligares na terra será desligado nos céus”.

Palavra da Salvação.

Homilia

Ouça homilia do Pe. Victor

Estimados irmãos e irmãs,

Domingo é o dia do Senhor, dies domenica, nossa Páscoa semanal. Dia em que celebramos a Ressurreição do Senhor. Celebramos hoje a Solenidade de Pedro e Paulo. Dois apóstolos que seguiram a Cristo, entregaram suas vidas no martírio, com diferenças claras como relata a Escritura, porém unidos pelo Evangelho de Jesus Cristo. Eles viram o que pregaram, seguiram a justiça, proclamaram e morreram pela verdade. Embora tenham sido martirizados em dias diferentes, deram o mesmo testemunho. Pedro foi a frente, Paulo o seguiu. Celebramos o dia festivo, consagrado a nós com o sangue dos apóstolos. Amemos a nossa fé, a vida, os trabalhos, os sofrimentos, os testemunhos e as pregações destes dois apóstolos, como diz Santo Agostinho.

Hoje, com o coração agradecido, louvemos ao Senhor por estes dois apóstolos que foram por Cristo consagrados, são colunas da Igreja que lavaram suas vestes no sangue do Cordeiro. Lembramos hoje do Bispo da Igreja de Roma, nosso Santo Padre Francisco; de todos os batizados e batizadas, que, com espírito ardoroso, colocam-se a serviço, pregando o Evangelho a todos; dos pastores das igreja cristãs e de todos os servidores da Comunidades. Pedro, apóstolo, e Paulo, doutor das nações, nos ensinaram, Senhor, os teus caminhos.

Na Liturgia da Palavra de hoje, Jesus conversa com os discípulos a respeito da própria identidade, pois sua atuação era comparada por muitos aos grandes profetas: João Batista, Elias, Jeremias. Os discípulos, representados por Pedro, manifestam a adesão pessoal ao Mestre, reconhecendo-o como o Cristo, o Filho do Deus vivo, título que resume a fé da comunidade cristã.

A Igreja está fundamentada sobre a pedra angular, que é Cristo, morto e ressuscitado, professado pela fé dos apóstolos. As forças do mal, opostas ao Reino de Deus, não podem abalar os seus fundamentos. Como Pedro, os que professam a fé na comunidade dos discípulos de Jesus, a Igreja, recebem a missão de administrar as chaves do Reino dos Céus. Colocam-se a serviço do Reino, procurando abrir as suas portas a quem procura a Deus. Assumem o compromisso de desligar, de romper com situações de pecados que escravizam e impedem de celebrar a salvação.

A 1ª leitura mostra um contexto de perseguição e morte contra as lideranças das comunidades cristãs. Enquanto Pedro revive o destino de Jesus na prisão, a Igreja ora continuamente. A ação de Deus vence o poder opressor de Herodes e liberta Pedro. O salmista bendiz o Senhor, pois Ele o livrou de todas as aflições. Na 2ª leitura, Paulo faz a experiência do abandono, confiante nas mãos de Deus. Seu ensinamento testemunha a fidelidade e a dedicação no anúncio do Evangelho: Combati o bom combate, terminei a corrida e guardei a fé.

Bendizemos a Deus pelos grande apóstolos Pedro e Paulo, pois testemunharam a fé e doaram suas vidas por causa da Boa Nova de Cristo. Eles nos ensinam a colocar a confiança em Jesus, a Pedra angular, para perseverarmos no caminho e recebermos a coroa da justiça. Pedro e Paulo como Cristo, viveram a morte e a alegria da libertação e da salvação realizada por Deus. Nesta eucaristia, em que fazemos memória da Páscoa do Cristo, recordamos estas testemunhas da fé e os mártires de todos os tempos. Entreguemos, também, a nossa vida e a vida da Igreja.

     Pe. Victor Silva Almeida Filho – vigário paroquial

Fontes consultadas:
  • Revista Vida Pastoral;
  • Subsídio litúrgico-catequético mensal O Pão nosso de cada dia;
  • Revista de Liturgia das Pias discípulas do Divino Mestres;
  • Roteiro homelético do Tempo Comum I Maio-Agosto da CNBB;
  • Liturgia dominical, profº Johan Konnings;
  • Site: www.dehonianos.pt