“A prece do humilde atravessa as nuvens.”

30º DOMINGO Tempo Comum

Evangelho de Jesus Cristo Segundo Lucas – Evangelho – Lc 18,9-14

Naquele tempo:
9 Jesus contou esta parábola
para alguns que confiavam na sua própria justiça
e desprezavam os outros:
10 ‘Dois homens subiram ao Templo para rezar:
um era fariseu, o outro cobrador de impostos.
11 O fariseu, de pé, rezava assim em seu íntimo:
‘Ó Deus, eu te agradeço
porque não sou como os outros homens,
ladrões, desonestos, adúlteros,
nem como este cobrador de impostos.
12 Eu jejuo duas vezes por semana,
e dou o dízimo de toda a minha renda’.
13 O cobrador de impostos, porém, ficou à distância,
e nem se atrevia a levantar os olhos para o céu;
mas batia no peito, dizendo:
`Meu Deus, tem piedade de mim que sou pecador!’
14 Eu vos digo:
este último voltou para casa justificado, o outro não.
Pois quem se eleva será humilhado,
e quem se humilha será elevado.’

Refletindo a Palavra

A liturgia deste domingo ensina-nos que Deus tem um “fraco” pelos humildes e pelos pobres, pelos marginalizados; e que são estes, no seu despojamento, na sua humildade, na sua finitude (e até no seu pecado), que estão mais perto da salvação, pois são os mais disponíveis para acolher o dom de Deus.
A primeira leitura define Deus como um “juiz justo”, que não se deixa subornar pelas ofertas desses poderosos que praticam injustiças na comunidade; em contrapartida, esse Deus justo ama os humildes e escuta as suas súplicas.
O Evangelho define a atitude correcta que o crente deve assumir diante de Deus. Recusa a atitude dos orgulhosos e auto-suficientes, convencidos de que a salvação é o resultado natural dos seus méritos; e propõe a atitude humilde de um pecador, que se apresenta diante de Deus de mãos vazias, mas disposto a acolher o dom de Deus. É essa atitude de “pobre” que Lucas propõe aos crentes do seu tempo e de todos os tempos.
Na segunda leitura, temos um convite a viver o caminho cristão com entusiasmo, com entrega, com ânimo – a exemplo de Paulo. A leitura foge, um pouco, ao tema geral deste domingo; contudo, podemos dizer que Paulo foi um bom exemplo dessa atitude que o Evangelho propõe: ele confiou, não nos seus méritos, mas na misericórdia de Deus, que justifica e salva todos os homens que a acolhem.

Rezando a palavra

Salmo – Sl 33,2-3.17-18.19.23 (R.7a.23a)

R.O pobre clama a Deus e ele escuta:
o Senhor liberta a vida dos seus servos.

2 Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo,
seu louvor estará sempre em minha boca.
3 Minha alma se gloria no Senhor;
que ouçam os humildes e se alegrem!

17 mas ele volta a sua face contra os maus,
para da terra apagar sua lembrança.
18 Clamam os justos, e o Senhor bondoso escuta
e de todas as angústias os liberta.

19 Do coração atribulado ele está perto
e conforta os de espírito abatido.
23 Mas o Senhor liberta a vida dos seus servos,
e castigado não será quem nele espera.