“A minh’alma engrandece o Senhor…” (Lc 1,39-56)

 

Evangelho – Lc 1,39-56

39 Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa,
dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judéia.
40 Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel.
41 Quando Isabel ouviu a saudação de Maria,
a criança pulou no seu ventre
e Isabel ficou cheia do Espírito Santo.
42 Com um grande grito, exclamou:
“Bendita és tu entre as mulheres
e bendito é o fruto do teu ventre!”
43 Como posso merecer
que a mãe do meu Senhor me venha visitar?
44 Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos,
a criança pulou de alegria no meu ventre.
45 Bem-aventurada aquela que acreditou,
porque será cumprido, o que o Senhor lhe prometeu”.
46 Maria disse:
“A minha alma engrandece o Senhor,
47 e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador,
48 pois, ele viu a pequenez de sua serva,
eis que agora as gerações hão de chamar-me de bendita.
49 O Poderoso fez por mim maravilhas
e Santo é o seu nome!
50 Seu amor, de geração em geração,
chega a todos que o respeitam.
51 Demonstrou o poder de seu braço,
dispersou os orgulhosos.
52 Derrubou os poderosos de seus tronos
e os humildes exaltou.
53 De bens saciou os famintos
despediu, sem nada, os ricos.
54 Acolheu Israel, seu servidor,
fiel ao seu amor,
55 como havia prometido aos nossos pais,
em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre”.
56 Maria ficou três meses com Isabel;
depois voltou para casa.

 

+++

Refletindo a Palavra

Celebrar a Assunção de Maria, é celebrar a consumação da Páscoa de Nosso Senhor Jesus Cristo. Em Maria já se realizou o que, no final dos tempos, vai se tornar realidade para todos aqueles que receberem o Cristo e sua mensagem.
Nos Sacramentos temos presentes o “já” e o “ainda não”. Na Eucaristia – o “já” – o Pão Eucarístico, Corpo e Sangue de Cristo nos une em comunhão, comunhão essa que se tornará plena quando, à semelhança de Maria, estivermos na Casa do Pai, ressurectos – o “ainda não”.
Todos os pontos de nossa fé, que nos ligam a Maria, têm sua origem na pessoa de Jesus Cristo. Nossa fé em Maria é essencialmente Cristológica. E juntos com Maria, nos dirigimos a Seu Filho e Nosso Senhor Jesus Cristo.
Maria: “a ela recorrem os homens, as mulheres, as crianças, os jovens, os anciãos. A ela se recorre no período do plantio e da colheita, da chuva e da seca, na hora do parto e da partida, em tempos de vestibular e primeiro dia de aula, nas festas e nos funerais, nos tempos de bonança e de catástrofes, no pranto e na alegria, na esperança e no desespero. Ela é a Senhora da boa viagem, do bom parto, da boa morte, das luzes, da guia, das dores, das alegrias ou dos prazeres. Ela tem o rosto de cada povo: é de Lourdes, é de Fátima, é de Guadalupe, é Aparecida do Brasil. A seus pés encontram refúgios freiras e prostitutas, padres e cafetões, papas e ateus, cristãos e muçulmanos. Todas as línguas hoje cantam: ‘Rainha dos céus, alegrai-vos!’”
(Revista “Novo povo construindo o Reino de Deus na justiça”, Junho/Agosto 2014, pg 91, publicação CNBB)
Maria é beleza, Maria é harmonia e pureza, Maria é aquela que arrasta nossos corações cristãos e nos coloca mais próximos do seu Filho, Jesus Cristo. Honramos Maria, por que Deus a honrou primeiro, escolhendo-a para ser a Mãe do seu Filho, nosso Divino Salvador.

+++

Rezando a Palavra

Salmo – Sl 44(45),10bc.11.12ab.16 (R. 10b)

R: À vossa direita se encontra a rainha,
com veste esplendente de ouro de Ofir.

 As filhas de reis vêm ao vosso encontro,
e à vossa direita se encontra a rainha
com veste esplendente de ouro de Ofir. R:

Escutai, minha filha, olhai, ouvi isto:
“Esquecei vosso povo e a casa paterna!
Que o Rei se encante com vossa beleza!
Prestai-lhe homenagem: é vosso Senhor! R:

Entre cantos de festa e com grande alegria,
ingressam, então, no palácio real”. R: