‘Vamos para a outra margem!’ (Mc 4,35-41)

12º DOMINGO – Tempo Comum

Evangelho – Mc 4,35-41

35 Naquele dia, ao cair da tarde,
Jesus disse a seus discípulos:
‘Vamos para a outra margem!’
36 Eles despediram a multidão e levaram Jesus consigo,
assim como estava na barca.
Havia ainda outras barcas com ele.
37 Começou a soprar uma ventania muito forte
e as ondas se lançavam dentro da barca,
de modo que a barca já começava a se encher.
38 Jesus estava na parte de trás,
dormindo sobre um travesseiro.
Os discípulos o acordaram e disseram:
‘Mestre, estamos perecendo e tu não te importas?’
39 Ele se levantou e ordenou ao vento e ao mar:
‘Silêncio! Cala-te!’
O ventou cessou e houve uma grande calmaria.
40 Então Jesus perguntou aos discípulos:
‘Por que sois tão medrosos?
Ainda não tendes fé?’
41 Eles sentiram um grande medo e diziam uns aos outros:
‘Quem é este, a quem até o vento e o mar obedecem?’

Refletindo a Palavra

“Vamos para outra margem”. Jesus não disse “vão”, mas “vamos”. Ele está junto, não abandona seus discípulos. Ao cair a tempestade seus amigos se desesperam. Têm medo de morrer. O mar e os ventos estão ameaçadores. Suas vidas correm risco. Todos temos medo da morte. E o Senhor dorme sossegado ao fundo da barca. Eles deveriam saber, de alguma forma, que o Mestre poderia colocar um fim ao seu desespero. Jesus acorda, e silencia os ventos e o mar, mostrando que Ele é o Senhor dos elementos da natureza. Mais pra frente vai mostrar que nem mesmo a morte não tem domínio sobre Ele.
“Vamos para outra margem”. Irmos para a outra margem significa abandonarmos a nossa zona de conforto. Muitas vezes Deus nos desafia a sairmos da nossa segurança e lançarmo-nos a novos desafios. Não nos envia sozinhos – Ele sempre está conosco. Os que estão na outra margem da vida, precisam de nós, são nossos irmãos. Quer estejam tanto à margem da sociedade, quanto à margem de uma vida digna material e espiritualmente. Ao vencer os desafios, ao enfrentar o diferente, passamos a nos conhecer melhor, e ao próprio Deus.
Não precisamos ter medo em lançarmo-nos em busca da vontade de Deus em “terras estranhas” ao nosso conhecimento. Quais são os desafios que se colocam diante de nós como cristãos dos dias atuais, seja em nosso trabalho, em nossa família, com os amigos, ou na comunidade da paróquia? A aceitação de lançar nessa aventura exige idêntica disposição de Maria ao dizer seu primeiro “sim”. “Sim” que tem de se renovar dia após dia em outros pequenos “sim”. Que a Mãe do Divino Salvador Ressuscitado interceda por nós para que não nos acovardemos diante do desafio que Deus nos lança, em nossa caminhada rumo ao Céu.