“Tu és Pedro e eu te darei as chaves do Reino dos Céus.”

14º DOMINGO DO TEMPO COMUM – São Pedro e São Paulo, Apóstolos . Solenidade

Evangelho de Jesus Cristo Segundo Matheus – Mt 16,13-19

Naquele tempo:
13 Jesus foi à região de Cesaréia de Filipe
e ali perguntou aos seus discípulos:
“Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?”
14 Eles responderam:
“Alguns dizem que é João Batista; outros que é Elias;
Outros ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas”.
15 Então Jesus lhes perguntou:
“E vós, quem dizeis que eu sou?”
16 Simão Pedro respondeu:
“Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”.
17 Respondendo, Jesus lhe disse:
“Feliz es tu, Simão, filho de Jonas,
porque não foi um ser humano que te revelou isso,
mas o meu Pai que está no céu.
18 Por isso eu te digo que tu és Pedro,
e sobre esta pedra construirei a minha Igreja,
e o poder do inferno nunca poderá vencê-la.
19 Eu te darei as chaves do Reino dos Céus:
tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus;
tudo o que tu desligares na terra
será desligado nos céus”.

Refletindo a Palavra

Embora as leituras de hoje nos projectem em sentidos diversos, domina a temática do “envio”: na figura dos 72 discípulos do Evangelho, na figura do profeta anónimo que fala aos habitantes de Jerusalém do Deus que os ama, ou na figura do apóstolo Paulo que anuncia a glória da cruz, somos convidados a tomar consciência de que Deus nos envia a testemunhar o seu Reino.
É, sobretudo, no Evangelho que a temática do “envio” aparece mais desenvolvida. Os discípulos de Jesus são enviados ao mundo para continuar a obra libertadora que Jesus começou e para propor a Boa Nova do Reino aos homens de toda a terra, sem excepção; devem fazê-lo com urgência, com simplicidade e com amor. Na ação dos discípulos, torna-se realidade a vitória do Reino sobre tudo o que oprime e escraviza o homem.
Na primeira leitura, apresenta-se a palavra de um profeta anónimo, enviado a proclamar o amor de pai e de mãe que Deus tem pelo seu Povo. O profeta é sempre um enviado que, em nome de Deus, consola os homens, liberta-os do medo e acena-lhes com a esperança do mundo novo que está para chegar.
Na segunda leitura, o apóstolo Paulo deixa claro qual o caminho que o apóstolo deve percorrer: não o podem mover interesses de orgulho e de glória, mas apenas o testemunho da cruz – isto é, o testemunho desse Jesus, que amou radicalmente e fez da sua vida um dom a todos. Mesmo no sofrimento, o apóstolo tem de testemunhar, com a própria vida, o amor radical; é daí que nasce a vida nova do Homem Novo.

Rezando a palavra

Salmo – Sl 33(34),2-3.4-5.6-7.8-9 (R. 5)

R.De todos os temores me livrou o Senhor Deus.

2 Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo,
seu louvor estará sempre em minha boca.
3 Minha alma se gloria no Senhor;
que ouçam os humildes e se alegrem!

4 Comigo engrandecei ao Senhor Deus,
exaltemos todos juntos o seu nome!
5 Todas as vezes que o busquei, ele me ouviu,
e de todos os temores me livrou.

6 Contemplai a sua face e alegrai-vos,
e vosso rosto não se cubra de vergonha!
7 Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido,
e o Senhor o libertou de toda angústia.

8 O anjo do Senhor vem acampar
ao redor dos que o temem, e os salva.
9 Provai e vede quão suave é o Senhor!
Feliz o homem que tem nele o seu refúgio!