Quem vem a mim não terá mais fome… | Paróquia Divino Salvador

Quem vem a mim não terá mais fome…

 

18º DOMINGO – Tempo Comum – Ano B

Evangelho – Jo 6,24-35

Naquele tempo:
24 Quando a multidão viu
que Jesus não estava ali,
nem os seus discípulos,
subiram às barcas
e foram à procura de Jesus, em Cafarnaum.
25 Quando o encontraram no outro lado do mar,
perguntaram-lhe:
‘Rabi, quando chegaste aqui?’
26 Jesus respondeu:
‘Em verdade, em verdade, eu vos digo:
estais me procurando não porque vistes sinais,
mas porque comestes pão e ficastes satisfeitos.
27 Esforçai-vos não pelo alimento que se perde,
mas pelo alimento que permanece até a vida eterna,
e que o Filho do Homem vos dará.
Pois este é quem o Pai marcou com seu selo’.
28 Então perguntaram:
‘Que devemos fazer para realizar as obras de Deus?’
29 Jesus respondeu:
‘A obra de Deus é que acrediteis
naquele que ele enviou’.
30 Eles perguntaram:
‘Que sinal realizas,
para que possamos ver e crer em ti?’
Que obra fazes?
31 Nossos pais comeram o maná no deserto,
como está na Escritura:
‘Pão do céu deu-lhes a comer’.
32 Jesus respondeu:
‘Em verdade, em verdade vos digo,
não foi Moisés quem vos deu
o pão que veio do céu.
É meu Pai que vos dá o verdadeiro pão do céu.
33 Pois o pão de Deus é aquele que desce do céu
e dá vida ao mundo’.
34 Então pediram:
‘Senhor, dá-nos sempre desse pão’.
35 Jesus lhes disse:
‘Eu sou o pão da vida.
Quem vem a mim não terá mais fome
e quem crê em mim nunca mais terá sede.

Refletindo a Palavra

Inicia-se com o Evangelho desse domingo o que se convencionou chamar “Discurso do Pão da Vida”. No Evangelho de domingo passado, Jesus realiza o sinal da multiplicação dos pães, quando essas mesmas pessoas que o procuram no texto de hoje, comeram até fartar-se.
No Evangelho de João, Jesus não realiza “milagres” mas sim “sinais”. A multiplicação dos pães foi um sinal. Qual a diferença entre milagre e sinal? O “milagre” encerra-se em si mesmo, enquanto que “sinal” busca levar além do que se vê, além do que se constata. Mas aquelas pessoas viram “milagre”, e por isso mesmo, pararam por aí. Não conseguiram entender que Jesus apontava para algo muito maior. Tratava-se de aprender com o que presenciaram, ir mais a fundo, e não simplesmente desfrutar.
A partir desse domingo, Jesus vai desenvolvendo seu diálogo com as pessoas, desvelando o sinal que não fora bem compreendido. A multiplicação dos pães aponta para um novo Êxodo, e para a Ceia Eucarística, onde Ele mesmo, Jesus, é o Pão Vivo que desceu do Céu para saciar a fome de infinito que Deus colocou no íntimo de cada ser humano. O diálogo continuará nos próximos domingos.