Pe. Claudiney – 1o. Aniversário de Ordenação Sacerdotal

Homilia do Bom Pastor e primeiro aniversário de ordenação presbiteral

Amados irmãos e irmãs!

Neste dia do Bom Pastor e dia de oração pelas vocações é uma alegria celebrar o meu aniversário natalício e, especialmente o primeiro de ordenação. É assim a liturgia deste Tempo Pascal, nos leva a transbordar de alegria. Os textos bíblicos e orações trazem á tona a alegria da ressurreição: o encontro de Maria Madalena com Jesus no primeiro dia da semana, a correria de Pedro e do discípulo amado para atestar o testemunho das mulheres e ver o Senhor, as aparições de Jesus aos discípulos, a vivência fraterna da comunidade primitiva, a conversão de Paulo. Tudo isso é um maravilhoso processo para nos introduzir na compreensão e mergulho do mistério da Ressureição do nosso Senhor.

Celebrar neste dia especial essa solenidade é ocasião para que eu possa olhar para o Bom Pastor e desejar, ainda mais, imitá-lo. Aliás, olhamos todos para o Pastor exemplar. Jesus. A partir deste olhar, percebemos a necessidade de Pastores verdadeiros para a construção do Reino de Deus. Pastores que cuidem do rebanho e reúnam as ovelhas que não estão no redil da Igreja. Por isso, precisamos rezar pelas vocações ao ministério ordenado.

Quero confrontar minha própria vida e início do meu ministério com a Palavra de Deus nos dirigida hoje. O Papa Francisco afirma em sua Exortação Apostólica Evangeli Gaudium “quem quiser pregar, deve primeiro estar disposto a deixar-se tocar pela Palavra e fazê-la carne na sua vida concreta”. (EG 150) Por isso devo perguntar-me se estou sendo um desses pastores assalariados, mercenários ou como os pastores que amam as ovelhas a ponto de entregar a vida por elas, se tenho proximidade, se são todas do meu interesse, sem distinção.  Também disse o Papa “é preciso ser padre com cheiro das ovelhas”. Ou seja, padre com autêntico zelo missionário. Cristo é o Pastor modelo porque ama de forma gratuita e desinteressada as suas ovelhas, até ser capaz de dar a vida por elas. E as ovelhas sabem que podem confiar nEle de forma incondicional, pois ele não busca o próprio bem, mas o bem do seu rebanho.

Nosso tempo está carregado e saturado de palavras, mas carece de exemplos, de testemunhos autênticos e motivadores. Até temos figuras de referências que podemos chamar de nossos mestres, de nossos modelos. Mas o evangelho de hoje nos diz que para o Cristão, o Pastor por excelência é Cristo. Não podemos nos perder e nos deixar conduzir por falsos pastores. Façamos um exame de vida e analisemos quem é o nosso pastor: Diretrizes do chefe do departamento? A conta bancária? A voz das massas? A opinião pública? A perspectiva do partido preferido? O comodismo e estagnação? O êxito no triunfo profissional a qualquer custo? Herói da novela ou cinema? Um artista? O programa de tv? O Facebook?  WatsApp? etc. (há quem diga: “O Google é o meu pastor e nada me faltará”)

Para que distingamos a voz de Jesus de outras vozes e apelos, de propostas enganadoras que não conduzem a vida plena, é preciso um permanente contato íntimo com o Bom Pastor, um confronto com a Palavra e a participação na comunidade de fé, pois daí emana a vida e alegria do encontro com Cristo ressuscitado.

Louvo a Deus todos os dias por tão grande mistério em minha vida. Nem merecia ser constituído seu servidor, servidor do seu povo, pregador do evangelho e sacerdote segundo o Novo Testamento. Mas o Bom Pastor demonstrou muito amor por mim e me chamou, me ungiu e me  enviou à anunciar a Boa Nova. Lc 4,16

Agradeço à Comunidade Paroquial Divino Salvador com seus fiéis, agentes de pastoral, funcionários e funcionárias por ter me acolhido e demonstrado tanto amor e carinho por mim. Cada pastoral, cada grupo que acompanho, cada atividade tem me feito um padre feliz e realizado.

Ao Padre Nadai obrigado pela acolhida, agradeço a Deus por ter me dado esse presente, que estar em sua paróquia, rezo a Deus que te conserve assim, verdadeiro servidor de Deus e do povo. Conte comigo!  Assim vamos juntos caminhando na imitação do Bom Pastor, o Divino Salvador.

Agradeço os amigos que Deus me deu, amigos de caminhada, amigos do tempo dos estudos e estágio pastoral, que nunca deixaram de me acompanhar e rezar por mim, a todos vocês digo que vivo o cumprimento do que está escrito Evangelho de São Mateus: “E todo aquele que houver deixado casas, irmãos, pai, mãe, filhos, campos, por causa do meu nome receberá muito mais e, em herança, a vida eterna”. (Mt 19,29)

Agradeço minha família, lugar sagrado que cresci e que foi formada minha identidade mais elementar. Onde fui educado na fé, e, onde aprendi a amar a Deus e as pessoas. Por isso, a minha gratidão ao meu pai João, que de modo misterioso, participa no céu de minha alegria. Minha mãe, Erzina, que neste ano sofreu tanto pela enfermidade. Mas, graças à oração de todos e a bondade de Deus, ela está entre nós. Aos meus irmãos, sobrinhos, primos, cunhadas pela insubstituível e indispensável vida em família que me ensinou os valores cristãos.

Obrigado Senhor, por minha família de sangue e de fé.

Foi um ano intenso cheio sustos e sofrimentos, mas também cheio de Graça, Alegria e Benção! Afinal assim é a nossa vida!

Encerro dizendo – Tudo é Graça em minha vida! Sou padre, sou feliz! Faço minhas palavras as de Dom Hélder Câmara: “Se nascesse mil vezes, todas as vezes seria padre”.

Campinas, 25 de abril – Domingo do Bom Pastor – 2015

Padre Claudiney F. Almeida
Vigário Paroquial