Passando pelo meio deles, continuou o seu caminho (Lc 4,21-30)

4º DOMINGO – Tempo Comum – Ano “C”

Evangelho – Lc 4,21-30

Naquele tempo:
Entrando Jesus na sinagoga disse:
21 ‘Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura
que acabastes de ouvir.’
22 Todos davam testemunho a seu respeito,
admirados com as palavras cheias de encanto
que saíam da sua boca.
E diziam: ‘Não é este o filho de José?’
23 Jesus, porém, disse:
‘Sem dúvida, vós me repetireis o provérbio:
Médico, cura-te a ti mesmo.
Faze também aqui, em tua terra,
tudo o que ouvimos dizer que fizeste em Cafarnaum.’
24 E acrescentou:
‘Em verdade eu vos digo que nenhum profeta
é bem recebido em sua pátria.
25 De fato, eu vos digo:
no tempo do profeta Elias,
quando não choveu durante três anos e seis meses
e houve grande fome em toda a região,
havia muitas viúvas em Israel.
26 No entanto, a nenhuma delas foi enviado Elias,
senão a uma viúva que vivia em Sarepta, na Sidônia.
27 E no tempo do profeta Eliseu,
havia muitos leprosos em Israel.
Contudo, nenhum deles foi curado,
mas sim Naamã, o sírio.’
28 Quando ouviram estas palavras de Jesus,
todos na sinagoga ficaram furiosos.
29 Levantaram-se e o expulsaram da cidade.
Levaram-no até ao alto do monte
sobre o qual a cidade estava construída,
com a intenção de lançá-lo no precipício.
30 Jesus, porém, passando pelo meio deles,
continuou o seu caminho.

Refletindo a Palavra

O Evangelho desse domingo é sequencia do que foi lido no final da semana passada. E assim será nos domingos seguintes. Estamos no Ano “C” do Ciclo do Tempo Litúrgico, quando o Evangelho lido nesse tempo é o Evangelho segundo São Lucas.
Jesus inicia sua vida pública, entre os seus. Ao começar a falar, na sinagoga, onde todo judeu que se considerava preparado podia ler o Rolo da Escritura e dirigir a palavra à assembléia reunida. Suas palavras, no entanto, não são bem recebidas pelos seus conterrâneos. “Esse não é o filho de José?”, se perguntam. Jesus percebe o preconceito e a rejeição. “Nenhum profeta é bem recebido em sua pátria”. E expulsam Jesus da cidade. Tentam matá-lo atirando-o de um penhasco “mas passando no meio deles, seguiu o seu caminho”. Não era chegada “a sua hora”.
A Palavra de Deus tem de ser recebida na liberdade. Deus não força nada. Respeita a liberdade dos seus filhos. Aqueles que levam a mensagem do Evangelho devem pedir forças para não desanimar. Muitas vezes, por causa do anúncio, serão desprezados, inclusive pelos seus. Que Maria interceda por todos aqueles que se colocam a serviço da mensagem do Amor Misericordioso de Deus, trazida por Seu Filho, o Divino Salvador.

Rezando a Palavra

Salmo – Sl 70,1-2.3-4a.5-6ab.15ab.17 (R.15ab)

R. Minha boca anunciará todos os dias,
vossas graças incontáveis, ó Senhor.

1 Eu procuro meu refúgio em vós, Senhor:*
que eu não seja envergonhado para sempre!
2 Porque sois justo, defendei-me e libertai-me!*
Escutai a minha voz, vinde salvar-me! R.

3 Sede uma rocha protetora para mim,*
um abrigo bem seguro que me salve!
Porque sois a minha força e meu amparo,
o meu refúgio, proteção e segurança!
4a Libertai-me, ó meu Deus, das mãos do ímpio. R.

5 Porque sois, ó Senhor Deus, minha esperança,*
em vós confio desde a minha juventude!
6a Sois meu apoio desde antes que eu nascesse,
6b desde o seio maternal, o meu amparo. R.

15a Minha boca anunciará todos os dias*
15b vossa justiça e vossas graças incontáveis.
17 Vós me ensinastes desde a minha juventude,*
e até hoje canto as vossas maravilhas. R.