“Não tenhais medo ! Vós valeis mais do que muitos pardais.”

12º Domingo do Tempo Comum

Evangelho de Jesus Cristo Segundo Mateus – Mateus 10,26-33

Naquele tempo, disse Jesus a seus apóstolos:
26 Não tenhais medo dos homens,
pois nada há de encoberto que não seja revelado,
e nada há de escondido que não seja conhecido.
27 O que vos digo na escuridão, dizei-o à luz do dia;
o que escutais ao pé do ouvido,
proclamai-o sobre os telhados!
28 Não tenhais medo daqueles que matam o corpo,
mas não podem matar a alma!
Pelo contrário, temei aquele que pode destruir
a alma e o corpo no inferno!
29 Não se vendem dois pardais por algumas moedas?
No entanto, nenhum deles cai no chão
sem o consentimento do vosso Pai.
30 Quanto a vós,
até os cabelos da cabeça estão todos contados.
31 Não tenhais medo! Vós valeis mais do que muitos
pardais.
32 Portanto, todo aquele
que se declarar a meu favor diante dos homens,
também eu me declararei em favor dele
diante do meu Pai que está nos céus.
33 Aquele, porém, que me negar diante dos homens, também
eu o negarei diante do meu Pai que está nos céus.

Meditando a Palavra

As leituras deste domingo põem em relevo a dificuldade em viver como discípulo, dando testemunho do projecto de Deus no mundo. Sugerem que a perseguição está sempre no horizonte do discípulo… Mas garantem também que a solicitude e o amor de Deus não abandonam o discípulo que dá testemunho da salvação.
A primeira leitura apresenta-nos o exemplo de um profeta do Antigo Testamento – Jeremias. É o paradigma do profeta sofredor, que experimenta a perseguição, a solidão, o abandono por causa da Palavra; no entanto, não deixa de confiar em Deus e de anunciar – com coerência e fidelidade – as propostas de Deus para os homens.
No Evangelho, é o próprio Jesus que, ao enviar os discípulos, os avisa para a inevitabilidade das perseguições e das incompreensões; mas acrescenta: “não temais”. Jesus garante aos seus a presença contínua, a solicitude e o amor de Deus, ao longo de toda a sua caminhada pelo mundo.
Na segunda leitura, Paulo demonstra aos cristãos de Roma como a fidelidade aos projectos de Deus gera vida e como uma vida organizada numa dinâmica de egoísmo e de auto-suficiência gera morte.

Rezando a Palavra

Salmo – Sl 68,8-10.14.17.33-35 (R.14c)

R. Atendei-me, ó Senhor, pelo vosso imenso amor!

8 Por vossa causa é que sofri tantos insultos,
e o meu rosto se cobriu de confusão;
9 eu me tornei como um estranho a meus irmãos,
como estrangeiro para os filhos de minha mãe.
10 Pois meu zelo e meu amor por vossa casa
me devoram como fogo abrasador.

14 Por isso elevo para vós minha oração,
neste tempo favorável, Senhor Deus!
Respondei-me pelo vosso imenso amor,
pela vossa salvação que nunca falha!
17 Senhor, ouvi-me pois suave é vossa graça,
ponde os olhos sobre mim com grande amor!

33 Humildes, vede isto e alegrai-vos:
o vosso coração reviverá,
se procurardes o Senhor continuamente!
34 Pois nosso Deus atende à prece dos seus pobres,
e não despreza o clamor de seus cativos.
35 Que céus e terra glorifiquem o Senhor
com o mar e todo ser que neles vive!