Amai-vos uns aos outros!… (Jo 15,9-17)

6º Domingo da Páscoa

Evangelho – Jo 15,9-17

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos:
9 Como meu Pai me amou,
assim também eu vos amei.
Permanecei no meu amor.
10 Se guardardes os meus mandamentos,
permanecereis no meu amor,
assim como eu guardei os mandamentos do meu Pai
e permaneço no seu amor.
11 Eu eu vos disse isto,
para que a minha alegria esteja em vós
e a vossa alegria seja plena.
12 Este é o meu mandamento:
amai-vos uns aos outros,
assim como eu vos amei.
13 Ninguém tem amor maior
do que aquele que dá sua vida pelos amigos.
14 Vós sois meus amigos,
se fizerdes o que eu vos mando.
15 Já não vos chamo servos,
pois o servo não sabe o que faz o seu senhor.
Eu vos chamo amigos,
porque vos dei a conhecer
tudo o que ouvi de meu Pai.
16 Não fostes vós que me escolhestes,
mas fui eu que vos escolhi
e vos designei para irdes e para que produzais fruto
e o vosso fruto permaneça.
O que então pedirdes ao Pai em meu nome,
ele vo-lo concederá.
17 Isto é o que vos ordeno:
amai-vos uns aos outros.

 Refletindo a Palavra

No Evangelho desse domingo, Jesus vem falar no amor ao próximo. E ele insiste “amai-vos uns aos outros”. Quer que seus discípulos sejam reconhecidos justamente por esse sinal, ou seja, o amor. Santificar o Nome de Deus, consiste em provocar nas pessoas que não aderiram, ou mesmo nem conhecem o Seu Cristo, a expressão “vede como eles se amam!” (At 4,32).

Deus não faz diferença entre seus filhos, porém, a falta de amor tem feito da humanidade no decorrer da história, uma história de separados: ricos e pobres, brancos e negros, entre outros inúmeros exemplos. O amor, muito mais que um “mandamento” é a resposta ao amor de Deus pelos homens: “Deus amou tanto o mundo que lhe deu seu Filho único, para que todo aquele que nele crê, não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3,16). Como falar de um Deus que é Pai, se não se ama os irmãos?

A Eucaristia é o encontro dos discípulos de Jesus, que pelo batismo foram enxertados nessa “Videira”, como referiu Jesus no Evangelho do último domingo. Não se pode ter Cristo somente para si. Na Sagrada Comunhão confirma e firma-se que todos aqueles que dela participam formam um único Corpo, o Corpo Místico de Cristo, cuja cabeça é o Senhor. Que Maria, a Mãe do Divino Salvador ensine a cada vez mais os cristãos católicos levarem a sério o real efeito da Sagrada Eucaristia: que em Cristo todos sejam um só corpo, unidos pelo Amor do Pai, comunicado pelo seu Cordeiro imolado por todos os homens.