“A quem iremos? Tu tens palavras de vida eterna.”

21º Domingo do Tempo Comum

Evangelho de Jesus Cristo segundo João 6,60-69

Naquele tempo:
60 muitos dos discípulos de Jesus
que o escutaram, disseram:
‘Esta palavra é dura.
Quem consegue escutá-la?’
61 Sabendo que seus discípulos estavam murmurando
por causa disso mesmo,
Jesus perguntou:
‘Isto vos escandaliza?
62 E quando virdes o Filho do Homem
subindo para onde estava antes?
63 O Espírito é que dá vida,
a carne não adianta nada.
As palavras que vos falei são espírito e vida.
64 Mas entre vós há alguns que não crêem’.
Jesus sabia, desde o início,
quem eram os que não tinham fé
e quem havia de entregá-lo.
65 E acrescentou:
‘É por isso que vos disse:
ninguém pode vir a mim
a não ser que lhe seja concedido pelo Pai’.
66 A partir daquele momento,
muitos discípulos voltaram atrás
e não andavam mais com ele.
67 Então, Jesus disse aos doze:
‘Vós também vos quereis ir embora?’
68 Simão Pedro respondeu:
‘A quem iremos, Senhor?
Tu tens palavras de vida eterna.
69 Nós cremos firmemente e reconhecemos
que tu és o Santo de Deus’.

 

Meditando a palavra

A liturgia do 21º Domingo do Tempo Comum fala-nos de opções. Recorda-nos que a nossa existência pode ser gasta a perseguir valores efémeros e estéreis, ou a apostar nesses valores eternos que nos conduzem à vida definitiva, à realização plena. Cada homem e cada mulher têm, dia a dia, de fazer a sua escolha.
Na primeira leitura, Josué convida as tribos de Israel reunidas em Siquém a escolherem entre “servir o Senhor” e servir outros deuses. O Povo escolhe claramente “servir o Senhor”, pois viu, na história recente da libertação do Egipto e da caminhada pelo deserto, como só Jahwéh pode proporcionar ao seu Povo a vida, a liberdade, o bem estar e a paz.
O Evangelho coloca diante dos nossos olhos dois grupos de discípulos, com opções diversas diante da proposta de Jesus. Um dos grupos, prisioneiro da lógica do mundo, tem como prioridade os bens materiais, o poder, a ambição e a glória; por isso, recusa a proposta de Jesus. Outro grupo, aberto à acção de Deus e do Espírito, está disponível para seguir Jesus no caminho do amor e do dom da vida; os membros deste grupo sabem que só Jesus tem palavras de vida eterna. É este último grupo que é proposto como modelo aos crentes de todos os tempos.
Na segunda leitura, Paulo diz aos cristãos de Éfeso que a opção por Cristo tem consequências também ao nível da relação familiar. Para o seguidor de Jesus, o espaço da relação familiar tem de ser o lugar onde se manifestam os valores de Jesus, os valores do Reino. Com a sua partilha de amor, com a sua união, com a sua comunhão de vida, o casal cristão é chamado a ser sinal e reflexo da união de Cristo com a sua Igreja. (leia mais…)

Rezando a Palavra

Salmo – Sl 33,2-3.16-17.18-19.20-21.22-23 (R.9a)

R.Provai e vede quão suave é o Senhor!

2 Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo,
seu louvor estará sempre em minha boca.
3 Minha alma se gloria no Senhor;*
que ouçam os humildes e se alegrem!R.

16 O Senhor pousa seus olhos sobre os justos,
e seu ouvido está atento ao seu chamado;
17 mas ele volta a sua face contra os maus,
para da terra apagar sua lembrança.

18 Clamam os justos, e o Senhor bondoso escuta
e de todas as angústias os liberta.
19 Do coração atribulado ele está perto
e conforta os de espírito abatido.

20 Muitos males se abatem sobre os justos,
mas o Senhor de todos eles os liberta.
21 Mesmo os seus ossos ele os guarda e os protege,
e nenhum deles haverá de se quebrar.

22 A malícia do iníquo leva à morte,
e quem odeia o justo é castigado.
23 Mas o Senhor liberta a vida dos seus servos,
e castigado não será quem nele espera.